quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Desafinados _ ORSR - Maestro - Prefeitura

Desafinados
Publicado em 27.08.2009

O secretário de Cultura do Recife, Renato L., que sempre mexeu com cultura, prometeu receber hoje comissão de músicos da Orquestra Sinfônica do Recife para tentar resolver pendência deixada pelo ex-prefeito João Paulo (PT): a promessa de pagar bônus salarial feita no final de 2008. A reunião de emergência foi marcada porque grande parte dos músicos ameaçou ler carta de protesto contra a Prefeitura do Recife durante a Mimo 2009, em setembro. Ontem, o maestro Osman Gioia foi portador de recado do “núcleo político” do prefeito João da Costa (PT): que os músicos sofreriam retaliações se concretizassem a ameaça. A crise na orquestra não é de hoje. Ela tem a marca de ser a mais antiga do País em atuação. O que adianta carregar essa marca se os músicos não são reciclados, o repertório não é aperfeiçoado e o número de apresentações é o mínimo por ano

--
Maestro Gil (a marca de articulação social)
(81) 8726.1063
http://caravanadeluzcultural.blogspot.com

Um comentário:

  1. José Amaro Santos da Silva28 de agosto de 2009 20:34

    Essa estória de os músicos sofrerem retalições do prefeito João da Costa, caso concretize-se a leitura de um manifesto dos músicos, configura-se uma fala particular do Osman Gioia. Esse garoto carioca sabe se locomover entre o poder e os poderosos, vai levando suas vantagens, como sugere a lei do Gerson. Em contrapartida, sabe também fazer ameaças àqueles que ele considera fraco.
    Em verdade, caso não houvesse os pequenos guetos, ou focos de interesses particulares entre os músicos dentro da Orquestra Sinfônica do Recife, mas houvesse uma união bastante conscientes e sólida de todos os seus membros, a Orquestra não teria um maestro que apenas sabe tripudiar sobre todos, aproveitando-se tão somente dos focos de desunião.
    Se faz necessário que os músicos elejam um líder sério e coerente e passe a conduzir suas reivindicações ao senhor prefeito, que, como um democrata houvirá a todos e, quem sabe, atenda aos justos pleitos.
    Deixe esse maestro chupando o dedo.

    ResponderExcluir